Estima-se que uma pessoa com diabetes tome várias decisões relacionadas à saúde por dia:

  • Fazer o teste de glicemia
  • Acompanhar quantidade de comida (carboidratos)
  • Definir a quantidade de insulina
  • Praticar atividade física
  • Lembrar de tomar seu(s) medicamento(s)
  • Cuidados com estresse e sono, entre outros.

Durante a noite, quando estamos dormindo, é difícil ter os mesmos cuidados com o diabetes, afinal precisamos dormir! No entanto, precisamos conhecer o comportamento da nossa glicemia enquanto dormimos para estabelecer a dose adequada de insulina para este período do dia.

Isto não significa que precisamos verificar a glicemia durante a madrugada todos os dias, pois a maior parte dos usuários de insulina apresenta um comportamento padrão da glicemia no período do sono. Devemos levar em conta que a maior parte de nós apresenta uma ação melhor da insulina enquanto dorme e que alguns eventos podem modificar o comportamento habitual da glicemia.

Muitas vezes quando medimos a glicemia antes de dormir, o valor pode estar dentro do nosso objetivo glicêmico, mas isso não quer dizer que você passou a noite inteira com esta glicemia. Além disso, os sintomas de hipoglicemia ou de hiperglicemia podem estar reduzidos enquanto dormimos.

Então, é importante conhecer o comportamento padrão da nossa glicemia à noite e aproveitamos para apresentar alguns fatores que podem modificá-lo:

Alimentação.

Existem “n” coisas que podem acontecer, por exemplo, ingerir pizza no jantar e não corrigir a gordura da forma correta fará você ter uma glicemia boa no momento de deitar. No entanto o efeito da gordura fará com que algumas horas depois, sua glicemia se eleve e faça você acordar com ela alta. Isto acontece porque a ingestão maior de gorduras e proteínas resulta em aumento da glicemia entre 4 a 8 horas após a refeição.

Infecções.

Em dias que estamos doentes, com gripe e outras infecções, é possível que a glicemia fique diferente de seu padrão habitual. O mais adequado em dias de doença é verificar a glicemia mais vezes ao dia e corrigi-la, se necessário, seguindo as orientações médicas.

Fenômeno do amanhecer.

É como chamamos o que acontece todo dia com o nosso corpo, geralmente entre 4 e 8h da manhã. Este fenômeno ocorre devido à secreção aumentada do hormônio do crescimento e do cortisol. O problema é que estes hormônios tão úteis para o nosso despertar dificultam a ação da insulina. Portanto, é natural que a glicemia aumente neste horário mesmo sem você comer nada.

Exercício.

Mesmo depois de horas após a prática de exercício físico é possível que ele ajude a baixar a glicemia. Principalmente nos primeiros dias de uma atividade física nova, é importante monitorar a glicemia com mais frequência. Dessa forma é possível ver o impacto que a prática pode ter durante a noite de sono.

Álcool.

A ingestão de álcool parece diminuir a produção de glicose pelo fígado. Resultando em níveis mais baixos de glicose no sangue. Portanto, devemos ter cuidado com hipoglicemias induzidas pelo álcool, principalmente no período de sono.

Cada corpo um funcionamento.

Há certas coisas que são muito particulares e que cada pessoa vai apresentar de um jeito. Portanto é importante você saber como a sua glicemia tende a se comportar em determinados horários. Além de saber como ela responde em dias fora da rotina.

É muito importante você conversar com os profissionais da saúde sobre estratégias para conhecer o comportamento da sua glicemia durante a noite. Qual horário é interessante acordar para medir a glicemia e principalmente com que frequência deve fazer a glicemia no período do sono. Lembrando que a noite foi criada para o nosso repouso e reconstituição para o dia seguinte.

Cuide-se, bons sonhos e até a próxima!