Muito se fala de exercício físico como parte do tratamento das pessoas com diabetes. 

Mostrando benefícios  como: aumento da sensibilidade à insulina (melhora na glicemia pós-prandial), maior captação de glicose do sangue, melhora no sistema imune, respiratório e cardiovascular. Sendo a atividade física considerada uma primordial ação de baixo custo para evitar complicações e prevenir doenças.

O exercício físico pode se adaptar à nossa realidade e não o oposto.

No entanto, a imagem veiculada na mídia pode transmitir um padrão de prática de exercício físico distante da realidade. 

Dentro de academias, com custo elevado e de alto rendimento (com pessoas demonstrando estarem fazendo muita força) como vemos no perfil daquele amigo mais esportista, atletas e influenciadores nas redes sociais.

Com isso, sempre falamos de como o tratamento do diabetes é individualizado, isto é, cada um tem desafios e métodos específicos. Com a parte de exercício físico não é diferente. Vale dizer  que como temos metas individuais, é importante evitarmos o caminho de nos compararmos com o que vemos na mídia.

Já que nem sempre essas imagens remetem à inclusão e acessibilidade. A atividade física deve ser adaptada exatamente a sua realidade, respeitando seus limites, tempo e condições financeiras, sem excluir ninguém.

Aliás, vale pontuar que pessoas com complicações ou deficiências, às vezes pouco incluídas por conta de uma visão competitivista da sociedade, não só podem como devem usufruir também do melhor dos exercícios! 

Vamos à algumas dicas para que todos possam conseguir mais qualidade de vida através do esporte?

1) Faça uma atividade física que lhe dê prazer.

Sabe aquela atividade física que desperta seu interesse ou aquela que pode fazer em um local que você goste, nelas você encontrará mais motivação que será seu maior aliado para continuar treinando!

2) Devagar se vai longe: 

Comece aos poucos com metas alcançáveis, respeitando seus limites, com alguns minutos do seu dia já irão contribuir para uma melhora na sua qualidade de vida! 

“Um passo à frente e você já não estará no mesmo lugar” Chico Science

3) Monitore seu padrão glicêmico: 

Entenda como sua glicemia reage ao exercício físico, medindo sua glicemia antes, durante e depois, faça um diário glicêmico por mais de 3 dias e leve ao seu médico. Sempre tenha consigo algo para corrigir uma possível hipoglicemia.

4) Ajuste glicêmico: 

Apresente seu padrão glicêmico, isso facilitará quais os ajustes necessários de insulina e alimentação você com seus profissionais de saúde precisarão fazer! Procure um profissional de Educação Física que lhe entenda, respeite seu ritmo, gostos e esteja bem informado sobre diabetes ( ou que busque estudar sobre).

5) Se divirta!!! 

Encontre um parceiro para treinar, comemore a cada nova conquista, experimente novos esportes e brinque se de cuidar, assim sua mente e seu corpo estarão em inteira harmonia!

Por fim, agora que falamos um pouco sobre exercício físico, sabemos que qualquer exercício é melhor do que nenhum! E que você pode procurar ajuda profissional de educadores físicos caso não esteja conseguindo dar o primeiro passo ou manter o ritmo. 

Neste outro texto falamos um pouco sobre as principais barreiras para a prática de exercício físico e ideias de como driblá-las.

Vamos juntos?

Baixe gratuitamente o Glic na Google Play e Play Store.

Material idealizado em colaboração com a equipe Glic. Texto e post idealizado por Sérgio Robson (@diabetesradical), graduado em Educação Física, 30 anos, mora na periferia de Fortaleza – Ceará, amante de Abacatada, pratica CrossFit e Vôlei. Ilustrações de Nathália de Souza (@sweetilustra), ilustradora apaixonada pela área da saúde e por colorir o dia a dia das pessoas.