Muita calma nessa hora, papel e caneta na mão, paciência e união serão ingredientes chave para você entender o que é diabetes, e como pode ajudar seu aluno com diabetes.

Vamos por partes? Separamos 6 pontos para te ajudar a organizar todas as informações.

1) Afinal, o que é diabetes?

Diabetes é uma condição onde o indivíduo possui excesso de glicose no sangue e isso acontece porque não produz insulina OU produz a mesma em quantidade insuficiente.

A insulina é importante pois é a “chave” para abrir a “porta” da célula para a glicose entrar e ser transformada em energia. A produção insuficiente ou não-produção pode acontecer pela destruição das células-beta (responsáveis pela produção da mesma), resistência à ação da insulina, entre outros.

2)Existem vários tipos de diabetes, qual é o tipo de diabetes do seu aluno?

O tipo de diabetes mais comum em crianças e adolescentes é o tipo 1 , onde a pessoa não produz insulina, e suas células produtoras de insulina foram destruídas pelo próprio sistema imunológico. Com isso, a pessoa precisa aplicar insulina, já que o pâncreas dela não produz.

Embora o diabetes tipo 1 seja mais comum nas crianças, houve crescimento de casos de diabetes tipo 2 em crianças e adolescentes, segundo estudos. (Diabetes melito do tipo 2 na infância e adolescência: revisão da literatura – Jornal de Pediatria).

O diabetes tipo 2 é caracterizado pela resistência à insulina e produção insuficiente de insulina pelo pâncreas   Neste caso, tem-se como tratamento tanto o uso de comprimidos, como de insulina, depende de cada caso.

3) Entenda o tratamento do seu aluno.

Tirar dúvidas com os pais ou responsáveis, lhe ajudará a entender o tipo de tratamento do seu aluno, e mais, promover um ambiente seguro para ele. O diabetes é tratado de maneira individual, cada pessoa possui um tratamento específico.

Por mais que na mesma escola tenha 2 ou mais alunos com o mesmo tipo de diabetes, o tratamento é individual. Usando a mesma lógica de que cada pessoa é única, cada diabetes é único, por isso, para ajudar seu aluno é preciso fortalecer o diálogo junto com a família para tomadas de decisão.

4) Algumas situações requerem atenção

O aluno pode precisar sair da sala mais vezes para ir ao banheiro ou beber água, principalmente caso ele esteja com hiperglicemia (excesso de açúcar no sangue), fazer refeições fora do horário habitual por uma hipoglicemia.

Alguns sintomas que requerem atenção, são:

  • Hipoglicemia: Tremores, suor excessivo, sonolência, entre outros. Neste caso, o aluno precisará ingerir algo para elevar a glicemia e caso não possa ingerir, administrar o Glucagon (neste texto explicamos mais sobre o glucagon e recomendamos que a escola tenha este medicamento à sua disposição).
  • Hiperglicemia: Sede excessiva, micção excessiva, fraqueza, dificuldades em respirar, vômito, entre outros. Neste caso, o aluno poderá precisar tomar insulina para corrigir a hiperglicemia.

Alinhar com os pais ou responsáveis as condutas necessárias para esses casos é fundamental. Antecipar o que fazer irá trazer mais segurança para todos.

5) Não exclua o aluno das atividades diferenciadas da escola

Festas, passeios, aulas de educação física… Pessoas com diabetes podem fazer de tudo, porém é preciso um planejamento prévio para essas ocasiões.

Converse com os pais para planejar essas ocasiões. A escola deve ser um ambiente inclusivo para todos , com ou sem diabetes.

6) Informações e dados são base para tomar decisões

Atualmente, contamos com o suporte da tecnologia que pode facilitar em vários aspectos da nossa vida. Tanto para nos manter em comunicação quanto para auxiliar nas tomadas de decisão no dia a dia do tratamento.

No tratamento do diabetes isto não é diferente. Você pode utilizar os meios de comunicação da escola para se comunicar com familiares e cuidadores, pois é normal ter dúvidas sobre o que fazer.  

É possível conversar com ONGs do setor, como a ADJ Diabetes Brasil, para que a sua escola possa receber educação e treinamentos necessários para lidar com uma nova rotina de cuidados para a instituição.

Além de tudo isso, o aluno pode fazer uso de tecnologias para facilitar o seu dia a dia. O Glic é um aplicativo brasileiro, que auxilia o aluno a corrigir corretamente a glicemia e alimentação na escola, mantém os pais informados sobre os eventos da escola e auxilia a equipe da instituição nos cuidados durante o período escolar.

Leitura complementar :

Deixamos a dica do Projeto Kids, iniciativa de saúde pública entre a Sanofi, a Federação Internacional de Diabetes e ADJ Diabetes Brasil que disponibiliza um pacote educativo para orientar a equipe escolar quanto aos cuidados com o diabetes. Acesse os materiais deste projeto:
https://www.idf.org/e-library/education/73-kids-diabetes-information-pack.html

Como lidar com o diabetes tipo 1 em ambiente escolar?, Sociedade Brasileira de Diabetes https://www.diabetes.org.br/publico/colunistas/88-dra-andressa-heimbecher-soares/1251-como-lidar-com-o-diabetes-tipo-1-em-ambiente-escolar

O bullying contra crianças e adolescentes com diabetes nas escolas escolas, Sociedade Brasileira de Diabetes –  –https://www.diabetes.org.br/publico/diabetes-em-debate/1767-o-bullying-contra-criancas-e-adolescentes-com-diabetes-nas-escolas

Nosso aluno com diabetes , Associação Diabetes Brasil – https://adj.org.br/wp-content/uploads/2017/12/Aluno-com-Diabetes.pdf

Referências:

Diabetes melito do tipo 2 na infância e adolescência: revisão da literatura.- http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0021-75572003000300004&script=sci_abstract&tlng=pt

Diabetes Mellitus – Cadernos de Atenção Básica , Ministério da Saúdehttp://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diabetes_mellitus.PDF